Filmes

A Pele que Habito

Primeiramente, desculpas pelo atraso no vídeo dessa semana, aconteceram uns imprevistos e fiquei sem tempo para editar aparte que faltava, mas amanhã ou sexta ele está no ar.

Ao se falar em filme de terror, muitos esperam sangue, mutilação, psicopatas mascarados, etc., mas se esquecem que o terror tem várias esferas e que uma delas é o terror psicológico. Aquele pânico que sobe no corpo sem ver ao menos uma gota de sangue na tela. E é disso que se trata A Pele que Habito.

Robert Ledgard (Antonio Banderas) é um cirurgião plástico muito conceituado e após a perca de sua mulher, que teve o copo inteiramente queimado após um acidente de carro quando fugia com seu amante, ficou obcecado em recuperar a deformação de sua mulher através da ciência. Com isso ele se interessa em criar uma nova pele que poderia tê-la salvo, uma pele contra qualquer agressão.

Mesmo após sua pele trangênica ser desprezada pela comunidade científica, que não aceita o uso de materiais trangênicos em seres vivos (no caso ele usa a pela humana junto ao material genético do porco), Robert continua pesquisando e fazendo experimentos em Vera, sua cobaia humana – praticamente um Frankeinstein moderno.

Vera (Elena Anaya) é uma linda e misteriosa mulher que vive aprisionada em um quarto da casa de Robert e é usada como cobaia pelo doutor. Usando uma espécie de 2ª pele  o tempo todo, ela pratica yoga para não enlouquecer naquele cubículo. Vera mantém contato apenas com Marília (Marisa Paredes), uma governanta confidente de Robert, mas mesmo assim seu único contado é por um elevador onde ela recebe suprimentos necessários e através de um interfone que ela fala de suas necessidades.

Como todo bom filme, as dúvidas perseguem e prendem o espectador logo de cara. Afinal, o que tornor Robert obsessivo para desenvolver uma pele resistente até mesmo ao fogo? Vera se voluntariou para ser seu experimento? Por que Marília que é empregada do Robert acaba tendo mais importância que o esperado na trama? Existe prisão pior do que aquela sem muros? Aquela em que seu próprio corpo é a prisão? A pele que você habita, diz quem você é ou lhe aprisiona?

Eu recomendo muito esse filme e com certeza sua espécie de criar terror é a mais inesperada de todas. Se você já assistiu deixe nos comentários sua opinião e se ainda não viu, tá esperando o que?

Espero que tenham gostado.

Beijos e Borboletas ❤

 

Anúncios

Um comentário em “A Pele que Habito

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s